Home > Notícias
03/08/2018

Apesar das ameaças de Trump, México escolhe os EUA como mercado prioritário para expansão do setor de calçados

O muro na fronteira, o repatriamento, os impostos, o slogan “America First”, o entra e sai com o FDRA, e assim por diante. Nos últimos dois anos, a administração do presidente norte-americano Donald Trump nunca perdeu uma oportunidade de mostrar aos vizinhos mexicanos que eles não são vistos com bons olhos.

Apesar disso, não falta coragem ao calçado do país latino-americano,que coloca os Estados Unidos no centro de seus planos de desenvolvimento. Segundo a agência Notimex, a associação do calçado CICEG, apoiada pelo Departamento de Comércio Exterior COFECE, pretende transformar León no distrito de calçados da América do Norte, favorecendo o encontro entre as marcas norte-americanas e os calçados mexicanos e focando nos valores da proximidade, flexibilidade de produção e preços mínimos muito baixos.

Até hoje, dos 260 milhões de pares produzidos anualmente, o México direciona apenas 20 milhões para os Estados Unidos. A nova temporada de expansão começou com a primeira participação coletiva na FFANY. Quem sabe o que pensa Trump sobre o assunto?

Leia também:
Pentland: receita aumenta drasticamente
Japão e União Europeia: acordo histórico envolve 1/3 do PIB global e vai na contramão do protecionismo dos EUA
Rockport, líder do segmento de calçados de conforto, consegue acordo para se manter na ativa
Nos últimos 30 meses, foram fechadas 7.500 fábricas argentinas de artigos de couro; 70 mil empregos perdidos