Home > Notícias
03/08/2018

Nos últimos 30 meses, foram fechadas 7.500 fábricas argentinas de artigos de couro; 70 mil empregos perdidos

Nos últimos 30 meses, na Argentina, foram fechadas 7.500 fábricas de artigos de couro e acessórios, encerrando 70.000 empregos. No primeiro semestre de 2018, o sangramento não parou: 70 empresas desligaram as máquinas para sempre, deixando cerca de 3.000 trabalhadores nas ruas.

Os dados apresentados pela CIMA, a associação que representa as empresas argentinas da área de couro e retomada pela imprensa de Baires, não deixam dúvidas: a cadeia de suprimentos do país está de joelhos. Há um quadro de fatores negativos determinando a crise.

As políticas de liberalização comercial implementadas pelo governo Macri estão pesando, levando a um aumento na importação de artigos de couro em 75% nos últimos dois anos (em comparação com 2015) e em 50% nos últimos seis meses. O consumo doméstico cai (-30% de janeiro a junho), há aumento de impostos e crise de crédito. Um contexto que “impossibilita qualquer investimento produtivo”, comenta Ariel Aguilar, presidente do CIMA.

Leia também:
Pentland: receita aumenta drasticamente
Japão e União Europeia: acordo histórico envolve 1/3 do PIB global e vai na contramão do protecionismo dos EUA
Apesar das ameaças de Trump, México escolhe os EUA como mercado prioritário para expansão do setor de calçados
Rockport, líder do segmento de calçados de conforto, consegue acordo para se manter na ativa