Home > Notícias
30/06/2021

Calçadistas elegem mercados-alvo do Brazilian Footwear 2022-2023

Dando inicio ao processo de renovação, o Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações de calçados mantido pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), elegeu seus mercados-alvo para o próximo convênio, do biênio 2022/2023. A reunião entre representantes da Apex-Brasil, Abicalçados e empresas calçadistas ocorreu no último dia 22 de junho, de forma digital.

Na oportunidade, as mais de 30 empresas calçadistas presentes iniciaram o processo de seleção. Letícia Masselli, coordenadora de Promoção Comercial da Abicalçados, destacou a representatividade das empresas participantes. “No encontro, estavam representadas empresas dos principais polos calçadistas brasileiros e de todos os segmentos, o que mostra a importância adquirida pelo convênio neste momento em que vislumbramos uma retomada no mercado internacional”, diz.

Com a discussão, ficaram definidos como mercados-alvo os Estados Unidos, Colômbia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, França e Coreia do Sul - este último o único da lista que será mercado-alvo dos calçadistas pela primeira vez. “Como é a primeira vez deste mercado, será realizado um estudo antes do início das ações do Brazilian Footwear”, explica a gestora do Brazilian Footwear na Apex-Brasil, Mariele Lais Christ. Novidade do Programa, dois países foram elencados como mercados secundários, que serão objetos de observação ao longo do convênio. Rússia e Arábia Saudita ficarão em análise para mapeamento de oportunidades.

Os mercados
Segundo Mariele, todos os selecionados são potenciais e apontam para uma democratização relevante, já que contemplam interesses de empresas de todos os portes e das mais diferentes maturidades exportadoras. “Empresas que estão iniciando no processo de internacionalização são contempladas com ações em mercados menos desafiadores, como o latino-americano, em especial pelas similaridades culturais. Já empresas mais maduras buscam países mais desafiadores, caso dos Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Coreia do Sul”, exemplifica, ressaltando que o objetivo do convênio é desbravar mercados potenciais e também manter e ampliar a presença nos cativos. “Outro fator relevante é a pulverização dos países-alvo, abrangendo todos os continentes e tendo impactos residuais em mais países importantes para o nosso calçado”, acrescenta.

Brazilian Footwear
Assinado pela primeira vez no ano 2000, o Brazilian Footwear é renovado a cada dois anos e tem como objetivo auxiliar empresas de calçados nos processos de internacionalização. Com o apoio do programa, são promovidas ações de promoção comercial, como a participação de marcas brasileiras em feiras e rodadas de negócios internacionais, e também ações de imagem que buscam fortalecer as marcas nacionais, bem como a identidade do calçado Made in Brazil.

Posicionado entre os cinco principais programas setoriais com a Apex-brasil - de um total de mais de 50 -, o Brazilian Footwear diversificou de sobremaneira as exportações de calçados brasileiros, passando de 99 destinos (2000) para mais de 160 destinos (2019). Ao todo, as 328 empresas associadas respondem por mais de 70% do valor total gerado pelas exportações brasileiras de calçados (US$ 658 milhões em 2020).

Expectativas
Com a retomada econômica internacional, em virtude do avanço da vacinação contra a Covid-19 e a normalização do comércio, existe uma expectativa de incremento nas exportações de calçados brasileiros. Conforme projeção da Inteligência de Mercado da Abicalçados, os embarques devem registrar incremento de 13% ao longo de 2021. Mariele destaca que o Brazilian Footwear terá função preponderante na estimativa de incremento dos embarques. Segundo ela, a expectativa é de que, a partir da retomada gradual dos eventos presenciais, combinados com os digitais, que ganharam força ao longo de 2020, mais empresas participem das ações de promoção comercial e de imagem do Brazilian Footwear.


Conheça os mercados-alvo do Brazilian Footwear, por ordem de importância

Estados Unidos
Principal destino das exportações brasileiras de calçados desde os primórdios do setor no mercado internacional, os Estados Unidos são os principais importadores de calçados do planeta. Entre janeiro e maio deste ano, os norte-americanos importaram 5,38 milhões de pares brasileiros, que geraram US$ 70,1 milhões, altas de 41,2% em volume e de 21,6% em receita no comparativo com o mesmo período do ano passado. Atualmente é mercado-alvo do Brazilian Footwear.

Colômbia
A Colômbia já foi mercado-alvo do Brazilian Footwear no passado, quando foram qualificadas as exportações para o país. Agora retorna como mercado-alvo, onde será trabalhado o calçado brasileiro, em ações de promoção comercial e imagem. Entre janeiro e maio, os colombianos importaram 3,16 milhões de pares brasileiros, que geraram US$ 10,4 milhões, incremento de 18,6% em volume e queda de 2,9% em receita no comparativo com igual período do ano passado.

Reino Unido
O Reino Unido renova sua presença entre os mercados-alvo do Brazilian Footwear para 2022/2023. Com preço médio do calçado importado do Brasil bastante elevado em relação à média geral (US$ 15,27 ante US$ 6,56), é um mercado atrativo para empresas que trabalham com calçados de alto valor agregado. Entre janeiro e maio, o Reino Unido importou 469,76 mil pares brasileiros, pelos quais foram pagos US$ 7,17 milhões, queda de 39,6% em volume e incremento de 0,6% em receita no comparativo com o mesmo período de 2020.

França
A França é uma grande compradora, especialmente de private label - com marca do cliente. Entre janeiro e maio deste ano, os franceses importaram 3,1 milhões de pares brasileiros, pelos quais pagaram US$ 23,46 milhões, altas de 16,7% em volume e de 20,5% em receita no comparativo com igual ínterim de 2020. Atualmente, a França é mercado-alvo do Brazilian Footwear.

Emirados Árabes Unidos
Já tendo sido mercado-alvo do Brazilian Footwear e estando fora do rol de mercados do convênio 2019/2021, os Emirados Árabes Unidos são considerados uma grande porta de entrada para o produto brasileiro na região do Golfo Pérsico, permitindo que o programa trabalhe os países do bloco de forma integrada. Entre janeiro e maio deste ano foram exportados para lá 326,1 mil pares por US$ 2,48 milhões, quedas de 8,3% em volume e de 15,3% em receita no comparativo com igual período de 2020.

Coreia do Sul
Estreando entre os mercados-alvo do Brazilian Footwear, a Coreia do Sul será alvo de um estudo de mercado antes de receber ações de promoção comercial e de imagem. O objetivo é sondar a viabilidade do calçado brasileiro em um dos países mais desenvolvidos do continente asiático. A Coreia do Sul importou 439 mil pares verde-amarelos por US$ 1,86 milhão entre janeiro e maio. Incremento de 2,6% em volume e queda de 25,6% em receita no comparativo com igual período do ano passado.