Home > Notícias
01/10/2018

Dia das Crianças: calçado e roupas no topo da preferência; data deve movimentar mais de R$ 9,4 bilhões no varejo

Pesquisa da CNDL/SPC Brasil mostra roupas e calçados (38%) à frente nas intenções de compra dos consumidores para o Dia das Crianças 2018, seguidos de bonecas (37%) e aviões/carrinhos de brinquedo (21%). O levantamento indica que 72% dos consumidores devem ir às compras este ano no Dia das Crianças, em especial as mulheres (77%).

No ano passado, 67% compraram presentes na data. Para 2018, a expectativa é de que o varejo movimente cerca de R$ 9,4 bilhões. 39% dos entrevistados vão presentear principalmente filhos, sobrinhos, netos ou afilhados e gastar o mesmo valor do ano passado, enquanto 24% planejam gastar menos. No total, cada consumidor deve desembolsar, em média, R$ 187 com presentes.

O Dia das Crianças é a última data comemorativa antes do Natal e dará sinais de como será o desempenho das vendas no final do ano. “As compras servirão de termômetro para o fim de ano, ao trazer as primeiras impressões do que deve acontecer no Natal, principalmente em um momento em que o poder de compra das famílias continua sendo afetado pelas dificuldades econômicas”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A maioria dos entrevistados (66%) espera pagar os produtos à vista, e o dinheiro será a opção de 51% dos entrevistados. Em segundo lugar, aparece o cartão de crédito parcelado (34%) e, em terceiro, o cartão de débito (28%). Entre os que planejam parcelar as compras, a média de prestações é de quatro parcelas.

Os shopping centers são o lugar preferido dos consumidores para fazer as compras (42%) e 35% vão optar pela internet, provavelmente motivados pela comodidade e praticidade de encontrar seus presentes. Já 28% mencionaram que buscarão o tradicional comércio de rua. Mesmo com uma inflação menor se comparada ao auge da crise, 59% dos entrevistados avaliam que os preços dos presentes estão mais caros do que em 2017. Para 31%, os preços estão na mesma faixa e apenam 6% dizem estar mais baratos.

Pesquisa de preços
O estudo aponta ainda que oito em cada dez consumidores (80%) pretendem pesquisar preços antes de comprar — em especial as mulheres (84%) e as classes C e D (82%). Entre os que adotam a prática da comparação pela internet (77%), o meio de pesquisa mais utilizado são os sites de busca, como o Google (66%). Também há os que recorrem aos portais e aplicativos de comparação de preços (51%) e os sites de ofertas (48%). Muitos entrevistados disseram ter o hábito de pesquisar preços também em lojas de rua (46%), principalmente as mulheres (51%).

Em tempos de dificuldades, uma opção que atrai muitos consumidores é dividir o valor dos presentes com outras pessoas como forma de economizar. Cerca de 15% afirmaram que pretendem dividir o valor das compras, sendo que 50% vão fazê-lo com o cônjuge, enquanto 24% com o pai ou mãe da criança e 21% com outros familiares.

Em outro dado indica que quase a totalidade (92%) disse acreditar que a publicidade influencia as crianças na hora de pedir presentes – especialmente entre os consumidores de 35 a 54 anos (96%). Além disso, a grande maioria (91%) ouvida também concorda em algum grau que as crianças sejam influenciadas por outras na definição dos presentes que gostariam de ganhar.