Home > Notícias
28/11/2018

Empresários revelam que dados da 3ª Pesquisa Perfil do Varejo Brasileiro do Calçado ajudam a direcionar atividades comerciais das marcas

Empresários e gestores que prestigiaram as apresentações da 3ª edição da Pesquisa Perfil do Varejo Brasileiro do Calçado foram unânimes ao elogiar a qualidade do conteúdo apresentado. O estudo envolveu 467 lojas, com mais de 2,2 mil pontos de venda de todo o Brasil. Os dados foram tabulados e apresentados por Airton Manoel Dias, diretor do Fórum Couromoda.

 A pesquisa foi patrocinado pela COUROMODA e também será detalhado no Fórum Couromoda, que acontece no dia 13 de janeiro, véspera do início da Couromoda 2019, que ocorre de 14 a 17 de janeiro, no Expo Center Norte, na capital paulista.

O road show da 3ª edição da Pesquisa Perfil do Varejo Brasileiro do Calçado passou por São João Batista, em Santa Catarina; Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul; e Birigui e Franca, em São Paulo. 

“Trata-se de um conjunto de informações de grande relevância para as nossas atividades. Podemos nos organizar e olhar para frente com boas perspectivas”, afirma Renato Barbosa, diretor da La Femme Calçados, de Birigui/SP, cidade em que a pesquisa foi apresentada no dia 6 de novembro.

O número expressivo de pequenas lojas com um ponto de venda e de dois a cinco unidades é o que mais chamou a atenção do empresário. Conforme ele, este é o universo ao qual a empresa vem direcionando as suas atividades comerciais na atualidade e onde vislumbra boas possibilidades de negócios futuros. “O varejo brasileiro, pelo que vimos, está bastante pulverizado e nosso mind set está totalmente direcionado a este tipo de cliente, inclusive com a possibilidade de utilização de ferramentas eletrônicas de vendas”, acrescenta.

A utilidade das informações para a gestão dos negócios é destacada por outro participante. Mário Hugo Mosman, da gaúcha Rio de Luz, diz que a pesquisa confirmou a percepção pessoal de que o e-commerce de calçados ainda é inexpressivo no Brasil e que o foco comercial da empresa, os pequenos lojistas, está correto. “Os números, para nós, são espetaculares. Trabalhamos apenas com pequenos clientes e sabemos claramente o que explorar, pois há muitas lojas mal atendidas”, esclarece o empresário, que acompanhou a apresentação em Novo Hamburgo, em 16 de outubro.

Mosman salienta que o acesso à pesquisa o deixou otimista em relação ao comportamento dos negócios da fábrica nos meses seguintes, sentimento que se baseia também na melhora da confiança por parte dos varejistas nas últimas semanas, que deve se traduzir num Natal de boas vendas para o setor e necessidade de reposição de estoques na Couromoda.

Em São João Batista, a apresentação lotou as dependências do auditório do Sindicato das Indústrias de Calçados (Sincasjb) e também agradou aos participantes. “Os números mostram a nova realidade do varejo com que temos que trabalhar”, afirma Almir Manoel Atanázio dos Santos, presidente da entidade. Conforme ele, os dados mostram que o setor está mudando e que as empresas precisam adaptar-se. “Não adianta reclamar e cruzar os braços. Em momentos de mudança, é preciso estar atento, agregar valor e avançar. Isso fica mais evidente a partir das informações que a pesquisa revela”, finaliza.

Crescimento do digital
Nas apresentações, o diretor do Fórum Couromoda e responsável pela pesquisa, Airton Manoel Dias, mostrou as mudanças que o varejo calçadista brasileiro registra desde a última edição da pesquisa, em 2014. Em cerca de quatro anos, apesar das dificuldades econômicas, o segmento cresceu, modernizou-se e profissionalizou-se.

A evolução no período evidencia-se no crescimento das vendas digitais, que já são feitas por 29,8% das lojas (ante 11% de 2014), na utilização de sistemas de gestão próprios ou de terceiros (64,6% das lojas) e na redução do estoque (em 2014, era de 114 dias. Hoje, é de 96), o que impõem mudanças na política de distribuição das indústrias calçadistas. Outros dados que a pesquisa aponta são a queda acentuada das lojas mistas (de 63% em 2014 para 29% em 2018) e a formação de pequenas redes estaduais de dois a cinco pontos de vendas, que ganham espaço no mercado.

“Redes estaduais com este perfil já são 213 e as nacionais totalizam 19. Já as lojas com apenas um ponto totalizam 235. Estas e outras informações importantes são fundamentais para as indústrias se prepararem melhor para vender mais”, enfatizou Dias, que nas próximas semanas apresentará os resultados do estudo em Franca e Birigui/SP.

A Pesquisa Perfil do Varejo Brasileiro do Calçado tem apoio oficial da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) e da Associação Brasileira dos Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac).

ALGUMAS REVELAÇÕES DA PESQUISA
> 29,8% das lojas já realizam vendas virtuais, ante 11% de 2014
> 64,6% utilizam sistemas de gestão próprios ou de terceiros
> Das 467 lojas pesquisadas, 235 possuem apenas um ponto de venda

ROTEIRO REALIZADO >
> 15/10 - São João Batista/SC
> 16/10 - Novo Hamburgo/RS
> 25/10 - Franca/SP
> 06/11 - Birigui/SP
Organização e patrocínio: COUROMODA
Apoio oficial: ABICALÇADOS e ABLAC