Home > Notícias
26/09/2019

Milão & Nova Iorque: o verão de Prada, Versace, Moschino e Tom Ford

Prada
O desfile Primavera-Verão 2020 é um hino ao seu DNA. Uma estratégia, para brincar com os pilares do estilo Prada, que mostrou funcionar com a reabertura da Linea Rossa e o grande retorno do nylon. A coleção foi apresentada nos espaços da Fundação Prada e, em particular, na Torre, inaugurada em fevereiro passado e sede da coleção permanente. A mulher da próxima temporada veste jaquetas justas com estampas de tapeçaria e saias tubo com bordados, malhas geométricas estilo anos 1960, camisas pólo com nervuras com botões estreitos e casacos trespassados. Como sempre, os acessórios são protagonistas: sapatos com solas reforçadas, enquanto sandálias de metal se inspiraram nos motivos arte déco. As bolsas? Quase todos modelos de bolsa balde, tendência para ficar de olho.



Versace
Ao ver a selva estampada da Versace, é impossível não pensar nela, o ícone latino absoluto: Jennifer Lopez. São dois conceitos inseparáveis por um motivo. Donatella Versace comemorou o vigésimo aniversário do tapete vermelho no Grammy Awards de 2000, em que Jennifer Lopez (acompanhada por Puff Daddy todo de branco) usava o vestido verde-esmeralda by Versace. Extremamente decotado, muito leve. Icônico.



Moschino
O desfile de moda da Moschino que transforma os mais importantes em pinturas cubistas
Eles parecem assinados por Picasso e, em vez disso, os looks usados por Irina Shayk, Kaia Gerber, Bella e Gigi Hadid são os quadros vividos por Jeremy Scott, que prestou homenagem ao pintor espanhol na coleção Primavera-Verão 2020. Você consegue ver a presença da revolução cubista? Aquela que retrata toda a tridimensionalidade da figura em uma tela plana? Agora imagine que essa tela é um vestido e você terá uma imagem do desfile Primavera-Verão 2020 de Moschino. Porque nesta temporada, Picasso claramente foi a inspiração de Jeremy Scott. Que a moda se inspira na arte certamente não é novidade, mas desta vez o estilista transformou as modelos em obras reais na passarela: Guernica, El Matador... as referências ao grande pintor espanhol eram muitas e havia máscaras e luvas com marcas cinza e pretas, toureiros com roupas brilhantes e dançarinos de flamenco.



Tom Ford
Considerando o todo, é uma coleção que poderia facilmente ser vista nas prateleiras de uma loja de departamentos, não fosse o nome da pessoa que a assinou. O visual arrojado, composto por um corpete com acabamento líquido, é o único ponto positivo visto na passarela. Uma plataforma que vibra com cores de vitaminas, mas deixa pouco espaço para glamour.


Leia também:
Grupo Caleres, antigo Brown Shoe, registra vendas recordes no segundo trimestre: US$ 752,5 mi, alta de 6,5%
Grupo Vivarte: credores tornam-se acionistas e empresa tenta nova cartada para recuperar-se de longa crise
Divulgados os resultados oficiais das feiras Micam e Mipel
Linha Saucony Originals chega para atualizar o modelo ‘Azura’, tênis icônico lançado em 1988