Home > Notícias
11/10/2021

Morre Carlos Brigagão

Morreu nesta última sexta-feira, 8, o empresário Carlos Brigagão, aos 79 anos. O proprietário da antiga Calçados Sândalo lutava há quase um mês contra a covid-19, enquanto estava internado no hospital Unimed/São Joaquim, mas acabou não resistindo às complicações da doença e morreu no fim da tarde desta última sexta. Nascido em Franca, Carlos foi um dos maiores líderes da indústria calçadista francana. Proprietário da potência calçadista ‘Sândalo’ e sócio da Francal, o empresário contribuiu muito para a ‘Capital do Calçado’. "Amigo querido com quem convivemos por quase 50 anos. Foi pioneiro e líder do setor que faz parte da história do calçado brasileiro. Franca  e o Brasil perdem um personagem que esteve no dia a dia da indústria e do varejo", afirma o fundador e presidente da COUROMODA, Francisco Santos.

A indústria de calçados Sândalo foi uma das grandes produtoras de calçados nos anos 90 e 2000. Entre 1992 e 1994, a produção era de 4,5 mil pares por dia. Com a implantação do plano real, ano após ano a quantidade foi caindo e as dificuldades aparecendo, até que, em 2007, os últimos 260 funcionários foram demitidos e a terceirização da produção foi necessária.

O primo Lélio Brigagão, com quem Carlos cresceu junto, relembra que para o primo nada desse processo foi fácil e que as demissões foram dolorosas. “Quando ele precisou demitir os últimos funcionários, não foi fácil. Ele não queria, mas era necessário. Só que foi tudo feito da maneira correta e as pessoas entenderam a necessidade. Tanto que até hoje são muito gratas ao que ele fez”.
A morte de Carlos teve bastante repercussão nas redes sociais, com centenas de pessoas deixamento mensagens de lamento e demonstrando sentimentos aos familiares.

“Franca viveu o auge de sua potência quando Carlos era diretor da Francal e dos Calçados Sândalo. Um gentleman, filho do senhor Milton, uma estirpe de cavalheiros que vejo refletir no Téti e no Eduardo. Mas, foi com sua amada Lúcia Helena Maniglia que Carlos construiu a mais linda história: a vida de um casal muito unido, moderno e com a turma de amigos que hoje devem chorar com a sua partida precoce”, escreveu a empresária Eliane Sanches Querino.

A Francal Feiras, onde Carlos foi um dos sócios, também lamentou a morte do empresário, por meio de nota assinada pelo Conselho de Administração. "Respeitado empresário do setor calçadista, que alçou a marca Sândalo ao patamar das mais prestigiadas do Brasil, Brigagão foi um baluarte e um conselheiro diligente da Francal Feiras por quase cinco décadas, na qual exerceu a presidência durante um breve, porém marcante período, entre os anos de 1978 e 1979".

Com uma atuação firme, e ao mesmo tempo suave e polida, Brigagão foi determinante nas decisões que ditaram o rumo da Francal Feiras em sua extensa e bem-sucedida trajetória.

Acima de todas estas qualidades, Brigagão foi um homem honrado, pai, marido, avô e um amigo que deixou sua marca nos corações de todas as pessoas que tiveram o privilégio de conviver com sua simpatia. Mais do que suas qualidades como profissional, empresário e dirigente, é do ser humano inigualável que sentiremos falta.

Todo nosso carinho e solidariedade à esposa Lúcia Helena, aos queridos filhos e netos, familiares e amigos, neste momento de dor.
O empresário era casado com a publicitária e escritora Lúcia Helena Maniglia Brigagão, que também é colunista do Portal GCN. Com ela, Brigagão teve quatro filhos, Luciana, Teti (Alexandre), Fernando, Eduardo.

"Ele nunca deixou a família de lado. Teve até dois filhos que moravam no exterior e ele nunca deixou de ir os visitar. Também sempre tentava reunir os familiares para mantermos o papo em dia. Além dos vários amigos e pessoas que o respeitavam por tudo que fez pela cidade. Nós vimos esse carinho pela quantidade de pessoas que deixaram mensagens quando souberam da morte dele", finalizou Lélio.