Home > Notícias
28/03/2019

Recuperação da economia reflete positivamente no empreendedorismo

Os números da pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor) confirmam o processo de recuperação da economia brasileira em 2018 e apontam reflexos positivos no crescimento da taxa de empreendedorismo no Brasil. Segundo a pesquisa, 2018 foi o ano em que, majoritariamente, os empreendedores atuaram de forma a consolidar os negócios criados em períodos anteriores e passaram a se estabelecer como atividade produtiva. Realizada no Brasil pelo Sebrae, a pesquisa revela que 38% do total de brasileiros em idade produtiva estão envolvidos com algum tipo de atividade na área dos micro e pequenos empreendedores, o que representa cerca de 52 milhões de pessoas, segundo melhor desempenho desde 2002.

Brasil cria 173 mil empregos, melhor resultado para fevereiro em cinco anos
A economia brasileira gerou um saldo positivo de 173.139 empregos com carteira assinada em fevereiro deste ano, segundo números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta segunda-feira (25) pelo Ministério da Economia. Trata-se do melhor resultado para meses de fevereiro desde 2014, quando foram criados 260.823 empregos formais. Após três anos seguidos de demissões, a economia brasileira voltou a gerar empregos com carteira assinada em 2018, quando foram abertas 529.554 vagas formais, de acordo com dados oficiais.

Encontro entre Trump e Bolsonaro pode acelerar ingresso do Brasil na OCDE
O encontro entre os presidentes dos Estados Unidos e Brasil, Donald Trump e Jair Bolsonaro, no Salão Oval da Casa Branca, na terça-feira, 19, em Washington, pode acelerar o ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), conhecida como o Clube dos Países Ricos. Como membro pleno da OCDE, o governo brasileiro espera atrair investimentos e obter outras vantagens, como acesso a financiamento externo com melhores condições.

A OCDE conta atualmente com 36 países, sendo que a maioria dos integrantes tem elevado PIB per capita e altos índices de IDH. Criada em 1961, a OCDE tem sede em Paris, na França.

Também durante a visita, foi assinado o acordo de salvaguardas tecnológicas que permitirá o aluguel da base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites, negócio que pode gerar até US$ 10 bilhões (cerca de R$ 37 bilhões) por ano ao Brasil.

CALÇADO - A aproximação entre Brasil e Estados Unidos deve beneficiar, ainda mais, o setor calçadista verde-amarelo na medida em que o mercado americano vem sendo decisivo para o aumento das nossas exportações. No primeiro bimestre, foram enviados ao exterior 26 milhões de pares por US$ 183,7 milhões, altas tanto em volume (26%) quanto em faturamento (16%).

Classe C volta a crescer e vê futuro com otimismo, aponta pesquisa
Uma década depois da criação do termo “nova classe média”, essa parcela da população no Brasil voltou a crescer de 2017 para 2018 - passando de 50% a 51% da população, uma adição de mais de 2 milhões de pessoas. Agora são 106 milhões de membros que dispõem de um montante estimado em R$ 1,57 trilhão para gastar em 2019. As famílias da classe C estão otimistas com o que está por vir e pretendem voltar a comprar bens de maior valor agregado, como eletrodomésticos e materiais de construção, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva.

Indicadores apontam para recuperação do mercado imobiliário
Um conjunto de indicadores econômicos revela que o setor imobiliário pode iniciar uma trajetória de retomada este ano. O índice de confiança dos empresários do segmento voltou ao nível de janeiro de 2018, puxado pela melhora da carteira de contratos no fim do ano passado. Outros indicadores, como demanda por crédito, saldo de empregos no setor, baixa taxas de juros, retomada de preços e redução da inadimplência, também apontam recuperação. A retomada da oferta de crédito em 2018, por exemplo, subiu 33% em relação a 2017, para R$ 57,4 bilhões.

Proposta da reforma da Previdência prevê economia de R$ 1,16 trilhão em 10 anos
A proposta da reforma da Previdência apresentada nesta quarta-feira (20) ao Congresso Nacional pelo presidente Jair Bolsonaro prevê uma economia de R$ 1,16 trilhão em 10 anos. A proposta foi recebida com elogios pelo mercado e espera-se que seja aprovada ainda no primeiro semestre. Com ela, o Brasil ganharia maior credibilidade internacional - atraindo investimentos e melhorando sua nota nas agências de classificação - e disporia de mais recursos para superar gargalos como a infraestrutura insuficiente. Ao mesmo tempo, estes investimentos poderiam contribuir para a maior geração de empregos, renda e impostos, num círculo virtuoso. Entre as mudanças, destacam-se as novas idades mínimas para aposentadoria (65 para homens e 62 para mulheres), o aumento do tempo de contribuição mínima (de 15 para 20 anos), a mudança na alíquota de contribuição (de acordo com faixa salarial) e a inclusão dos servidores nas regras do INSS, com transição mais rigorosa. Considerada a mais ambiciosa da reformas, a proposta para a nova Previdência necessitará de muita articulação política e mobilização de forças organizadas da sociedade para que ela avance dentro da ideia original. Neste contexto, o empresariado precisa unir esforços e pressionar parlamentares para aprovação da PEC.

Janeiro animador: fluxo de visitantes em shoppings do país cresce 5,4%
O fluxo de pessoas nos shopping centers do País em janeiro cresceu 5,4% em relação ao mesmo mês do ano anterior, de acordo com levantamento realizado pelo Ibope Inteligência em parceria com a consultoria Mais Fluxo. Os shoppings da Região Metropolitana de São Paulo tiveram destaque no mês, com crescimento de 7% no fluxo de clientes. Os centros de compra paulistas têm mostrado aumento no número de visitantes desde o segundo semestre do ano passado.