Home > Notícias
06/05/2020

Sindifranca faz apelo a empresários para manutenção da entidade, importante voz na defesa dos interesses do segmento

MENSAGEM AOS EMPRESÁRIOS DO SETOR CALÇADISTA DE FRANCA

Tivemos um 1º de Maio diferente. Uma data marcada por não existirem comemorações do dia do trabalho e, muito menos perspectivas de um cenário que nos permita vislumbrar algo de concreto. A única certeza que temos, são as incertezas que a cada dia se avizinham mais frente à impotência de lidar com a COVID-19, das dimensões da destruição das bases macroeconômicas do País e do “grande circo” que viraram as vaidades políticas no enfrentamento das estruturas de poder.

A única reflexão que cabe aos empresários é o que realmente poderá ser feito de concreto para recuperar o setor pós-pandemia, o que infelizmente não será nada fácil dadas às circunstncias da falta de coordenação política, de um ambiente de negócios já há anos deteriorado, de comportamentos empresariais que diretamente enfraquecem a sobrevivência do Cluster Calçadista e, principalmente, do cenário caótico imposto pela crise de liquidez.

Todos esses componentes relacionados ao ambiente de incertezas que cada empresário está passando neste momento, apenas corrobora que chegou a hora de mudanças. Assim como as mudanças dentro de um ambiente empresarial necessitam de coordenação, as mudanças do macro ambiente que envolve um maior número de empresas inseridas dentro de um setor específico, precisarão mais do que nunca, de um interlocutor tanto para o ambiente político, quanto para o ambiente empresarial, que envolve todo o setor na busca da “reconstrução”.

Reconstrução será a palavra de ordem para o setor calçadista de Franca, para outros setores e para o Brasil, uma vez que já é consenso o nível de destruição econômica que esta pandemia já causou e ainda continuará causando nos próximos meses. A única certeza que temos é que entrincheirados e isolados estaremos cada vez mais fragilizados para enfrentar este enorme desafio de retomar a indústria calçadista de Franca. As dimensões desta crise não deixou ninguém de fora, estamos “todos” dentro desta Guerra, da qual ainda não compreendemos suas dimensões.

Por tudo isso, precisamos pedir aos empresários do setor calçadista de Franca, “apoio e participação”, para que seja possível salvar a nossa entidade de classe. O Sindifranca vem sofrendo há anos junto com o enfraquecimento do setor calçadista de Franca e agora, não diferente do que todas as empresas estão vivendo, a entidade está à beira de um colapso financeiro comprometendo a sua sobrevivência e a sua representação na defesa do setor. Cabe deixar claro aos empresários que recentemente foi criado um “Comitê de Finanças” para reestruturar e promover todas as mudanças necessárias para readequar as despesas da entidade frente ao novo cenário de receitas.

Esse comitê não está medindo esforços nessa reestruturação, porém, uma parte fundamental são as receitas das mensalidades. Como dito anteriormente, a entidade vem passando por dificuldades há anos, que resultaram na perda de outras fontes de receitas.

Hoje, o Sindifranca tem como receita, apenas a mensalidade dos associados para a manutenção das suas atividades e prestação de serviços. Em virtude disso, esse comitê vem respeitosamente pedir ajuda e apoio a todos os empresários do setor, tanto associados, quanto não associados, afinal todos se beneficiam do trabalho da entidade, direta e indiretamente. As ações de reestruturação que estão sendo propostas seguem as seguintes dimensões:

Dimensionamento das “receitas reais” para ajustar o plano de reestruturação.
> Redução drástica nos salários e ajuste do quadro da entidade.
> Análise da viabilidade de mudança da sede para outro local.
> Adequação das despesas operacionais.
> Cancelamentos de despesas que não atrapalhem a operação do dia a dia.
> Realinhamento de mensalidades.
> Plano de captação de outras fontes de receitas para a entidade.

Precisaremos mais do que nunca da “nossa entidade” para articular junto às autoridades, ao sistema financeiro e outras entidades de classe, ações para recuperação do nosso parque fabril. Somente ações coordenadas no ambiente político e econômico poderão promover um ambiente de retomada e minimizar toda a angústia que cada empresário deve estar sentindo neste cenário de caos e incertezas. Agora mais do que nunca, precisaremos de uma voz gritando por nós, pois individualmente, não teremos tempo e nem força para brigar sozinhos por demandas que devem ser articuladas coletivamente. Acreditem, nunca na história da economia deste país, se fará tão necessário o acesso às linhas de crédito, sejam elas quais forem. Se não vencermos a crise de liquidez, dificilmente iremos recuperar empregos e o setor.

A sobrevivência do Sindifranca é vital para a coordenação na retomada das atividades, precisamos de uma voz e por isso, mesmo sabendo de todas as dificuldades que as empresas “sem exceção” estão passando, pedimos um voto de confiança aos associados para tentarmos manter as mensalidades em dia e, aos empresários que ainda não fazem parte do quadro de associados, que se filiem para fortalecer a nossa representação nas ações da recuperação do setor calçadista de Franca. A equipe que integra o Comitê de Finanças convida mais empresários para participar ou opinar nas mudanças que estão sendo propostas.

O Comitê não é fechado, muito pelo contrário, quanto mais aberto nas participações, mais coerentes serão as ações resultantes.

Contamos com o apoio e participação dos empresários do setor.

Cordialmente,